Entre rojos y azules
2018-2020

Na leitura das cartas trocadas entre os amigos John Berger e John Christie nasce o desejo de pigmento desta série. A pergunta incisiva de Christie: “Qual poderia ser nosso próximo projeto?” e a resposta liberta de Berger “Me manda uma cor…” contornam o princípio desta construção.

Feita das cores do puro instante a série Entre Rojos y Azules ganha matiz.

Primeiro o vermelho cádmio, que como trata Berger “vermelho da infância, das pálpebras jovens fechadas com força”. Vermelho de Caravaggio, “pelo qual se jura amor eterno... cujo pai é a faca”.

Depois o azul profundo e intenso do mar, “um pedaço do vazio”. Aquele azul que Yves Klein teorizou e alcançou, e que ainda temos muito para tratar.